Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso
 
 
 
// TESES E DISSERTAÇÕES
TESES DE DOUTORADO // TESES EM 2017
ANA LÚCIA NUNES DE SOUSA
De la Red a la Calle: videoactivismo en el contexto de las protestas en contra del Mundial de Fútbol en Río de Janeiro (2014)
Orientadora: Raquel Paiva de Araujo Soares
Resumo: A finales de 2010, el mundo fue tomado por imágenes de la rebeldía popular en el norte de África. En 2011, las protestas reivindicativas de lo común para los comunes se extendieron por España con el 15M/Indignadas; mientras que en los Estados Unidos emergió el Occupy Wall Street. En estos sucesos, la ciudadanía fue fundamental para propagar las narrativas desde adentro del movimiento. Los propios manifestantes, utilizando las redes y medios sociales, produjeron fotos, vídeos y transmitieron las protestas en vivo y en directo. En finales de mayo del 2013, Río de Janeiro vivía un momento de intensificación de las luchas sociales. Los movimientos sociales intentaban sacar provecho de la gran atención mediática dedicada a la ciudad, en virtud de la realización de mega-eventos como Copa de las Confederaciones de Fútbol, Jornada Mundial de la Juventud, etc. Las protestas se extendieron durante todo el 2013 y perduraron – con menos impacto – hasta la celebración del Mundial de Fútbol de la FIFA, realizado entre junio y julio del 2014. En todo este período, el vídeo online, circulando a través de las redes y medios sociales, emergió con fuerza, cuestionando la narrativa de los grandes medios y transformando a cada activista en un portavoz de los hechos, interpretados bajo su propia mirada. La potencia de la relación entre el audiovisual y las redes y medios sociales online parecía controvertir el dominio de las narrativas de los grandes medios informativos, los cuales casi siempre encuadraban negativamente a los movimientos sociales. En esta investigación doctoral, se propuso comprender el desarrollo de la práctica videoactivista, en Río de Janeiro, el contexto de las protestas en contra del Mundial de Fútbol del 2014. La investigación tiene como objetivos específicos reflexionar acerca de los procesos políticos representados en las obras videoactivistas; indagar las condiciones de producción y difusión de la narrativa videoactivista; comprender el uso de las redes y medios sociales como plataforma de producción, propagación y acción política; analizar la narrativa videoactivista, en términos de representación y participación. Para dar cuenta de esta complejidad, se ha optado por un modelo de investigación mixto, incorporando métodos cualitativos y cuantitativos, aplicados tanto online como offline. El trabajo de campo de esta investigación fue realizado entre el 7 de junio y el 15 de julio del 2014, acompañando a 10 grupos videoactivistas en todas sus actividades, a través de la investigación participante; además de incorporar 20 entrevistas semi-estructuradas. Fue creada una base de datos, seleccionando los vídeos producidos (173) en el periodo de la muestra, que fueron analizados desde su producción hasta su propagación. De estos 173 vídeos, 30 de ellos fueron analizados cuadro a cuadro, considerando aspectos narrativos, estéticos, políticos y la participación de la audiencia en la construcción de la narrativa a través de las redes y medios sociales. Los datos cuantitativos utilizados en esta investigación son el resultado de la aplicación de los métodos digitales de investigación, con la captura y visualización de datos de redes. Estos datos también fueron analizados a través del análisis de contenido. Mediante la aplicación de los métodos descritos – y articulándolos con el marco teórico –, se descubrió que, en relación a la producción audiovisual, se destacan tres subgéneros: las noticias/reportaje, el streaming y el vídeo con intención advocacy. Los grupos, pese a sus diferencias, actuaban en red y de forma interseccionada (online/offline), teniendo como factor fundamental de vinculación entre ellos, la vivencia en la calle. La metodología de trabajo de los videoactivistas estaba basada en la viralización de los materiales en las redes sociales, lo cual conllevaba jornadas de trabajo exhaustivas. En las obras producidas, la violencia policial en contra de los manifestantes fue la principal temática abordada, a su vez, los manifestantes fueron los protagonistas de estas narrativas. En términos técnicos y estéticos, predomina una filmación y montaje sencillos. En todos los subgéneros, se reconoce que las imágenes videoactivistas están marcadas por la proximidad a los sujetos, participantes del suceso histórico filmado. Las mismas características se presentan, de forma general, en todos los grupos; a excepción de un colectivo que se dedicaba a la trasmisión en vivo. En este caso, se construyeron prácticas y narrativas que no iban en la misma dirección. En relación a la participación de la audiencia en la construcción de la narrativa, se nota que predomina un desequilibrio en las relaciones de poder: la narrativa está en las manos, principalmente, de los propios videoactivistas. La circulación está en manos de la audiencia, de los propios videoactivistas y, en gran medida, en las manos de las propias plataformas virtuales.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
ANDRÉ ANTÔNIO BARBOSA
Constelações da Frivolidade no Cinema Brasileiro Contemporâneo
Orientador: Denilson Lopes Silva
Resumo: A palavra “frivolidade” costuma assumir, no senso comum, um sentido pejorativo. Nesta tese, porém, ela é utilizada para caracterizar uma sensibilidade estética: a lógica de um gosto que configura o funcionamento de determinados filmes através de aspectos estilísticos como a frieza, o hedonismo e a inconsequência lúdica. No circuito do cinema brasileiro independente, que privilegia a seriedade do drama humanista e o heroísmo do papel político extra-fílmico a ser desempenhado pelos próprios filmes, atitudes estéticas frívolas são frequentemente enxergadas como falhas, insuficiências, ou evidências da irrelevância de certas obras. Esta tese é uma tentativa de compreender melhor essa sensibilidade, seu valor estético e alguns filmes brasileiros que têm sido realizados com o seu espírito. Para isso, propõe-se aqui a montagem de duas constelações regidas pela lógica da frivolidade, cujos filmes, respectivamente, fazem surgir dois tipos diferentes de discussão: primeiro a do dandismo, depois a da improdutividade queer. Com a chave do dandismo, serão estudadas as obras de dois coletivos: o Distruktur, cujos integrantes trabalham entre o Brasil e a Alemanha, e o Osso Osso, do Rio de Janeiro. Depois, através dos elementos formais da improdutividade queer, serão lidos os filmes Mateme Por Favor (Anita Rocha da Silveira, 2015, Rio de Janeiro), Nova Dubai (Gustavo Vinagre, 2014, São Paulo), Eu Sou Lana Del Rey (Lucas Ferraço Nassif, 2016, Rio de Janeiro), Doce Amianto (Guto Parente e Uirá dos Reis, 2013, Ceará) e Monstro (Breno Baptista, 2015, Ceará).
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
BEATRIZ MORGADO DE QUEIROZ
Curadoria de Experiências: estratégias para exibição de obras
Orientadora: Victa de Carvalho
Resumo: A presente tese delineia o conceito de “curadoria de experiências” a partir da investigação e problematização de práticas curatoriais contemporâneas que privilegiam a obra de arte que só existe enquanto experiência atualizada no corpo do espectador, indagando a atualidade, os desafios e as estratégias de exibição destas experiências dentro de instituições de arte. A pesquisa traça uma abordagem genealógica e conceitual da noção de curadoria, acompanhando a gradual institucionalização da exibição pública de arte. Em seguida, discute a experiência estética mediante a implicação do corpo na produção de sentido, destacando a emergência de uma “virada experiencial” (Dorothea von Hantelmann) social, econômica e cultural, marcada nas artes pelo crescente interesse na produção de experiências como um meio artístico a partir das práticas experimentais dos anos 1960. Ao final, por meio da análise de processos curatoriais de exposições do artista brasileiro Hélio Oiticica, precursor da inclusão da sensorialidade do espectador na obra de arte - tanto realizadas em vida quanto póstumas -, investigaremos a incorporação destas proposições pelas instituições de arte, tornando-se espaço privilegiado de promoção de experiências estéticas. Conscientes da complexidade que envolve a “curadoria de experiências”, esta tese marca o início de um processo capaz de estimular pesquisas futuras.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
BRUNO TARIN NASCIMENTO
Tramas Cartográficas: maquinações em comunicação, cultura, tecnologias e redes
Orientador: Giuseppe Mario Cocco
Estas tramas cartográficas são compostas por cinco maquinações em cultura digital. Cada uma destas maquinações se expressa em sua singularidade, e estão conectadas entre si através de linhas transversais conformando uma rede. Duas grandes noções, inter-relacionadas, atravessam diagonalmente todas as maquinações: a noção foucaultiana de emergência e a noção marxiana de tendência. A primeira maquinação dedica-se ao estudo de diferentes apropriações e usos da noção de multidão, privilegiando as diferenças entre: multitude e crowd. Na segunda maquinação realiza-se um estudo sobre os movimentos indígenas no Nordeste, privilegiando a relação entre apropriação tecnológica e a (re)produção de novas etnopolíticas. Na terceira maquinação, procura-se produzir ferramentas para compor o espectro das possibilidades de investigação sobre as redes de cultura e arte em sua coemergência com a juventude. Na quarta maquinação propõe-se a realização de uma sistematização e reelaboração das possibilidades abertas para as práticas de pesquisa em ciências sociais e comunicação por pesquisadores brasileiros em torno da noção de cartografia. Na quinta maquinação observa-se a correlação existente entre três diferentes máquinas de compartilhamento em rede, a saber, o software livre, a cultura livre e a sharing economy, para posteriormente situá-las no contexto de um capitalismo de plataforma. O conjunto das maquinações procura angariar novos instrumentos capazes de compor os estudos culturais de rede a partir de perspectivas calcadas na experiência do antagonismo, nas direções de linhas de fuga e na ética das práticas de liberdade na contemporaneidade.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
CAMILA ESCUDERO
Comunidades em Festa: a construção e expressão das identidades sociais e culturais do imigrante nas celebrações das origens
Orientador: Mohammed ElHajji
Resumo: A presente tese trata de um aspecto peculiar da organização dos grupos de imigrantes – os repertórios culturais – e sua relação com o substrato comunicacional inerente ao atual processo de globalização, marcado por intensa mobilidade humana e avanço das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). Considera as mediações culturais e trocas simbólicas na construção de espaços subjetivos e identidades e explora processos de ressignificação e ressimbolização a partir de uma relação de alteridade. Como recorte do universo para pesquisa, propomos um objeto de estudo composto por três elementos: 1) sujeitos imigrantes engajados culturalmente em organizações migratórias de origem latino-americana estabelecidos em Chicago (Estados Unidos) e São Paulo (Brasil); 2) suas manifestações artísticas, folclóricas, festivas, celebrativas etc. relacionadas ao país de origem e realizadas no território de acolhida e 3) sua webdiáspora (aqui, resumidamente, espaços virtuais feitos de e para imigrantes). Como principais recursos teóricos-metodológicos utilizados, destacamos os conceitos de transnacionalismo, etnicidade, comunidade diaspórica e interculturalismo. Entre as técnicas de pesquisa aplicadas, estão entrevistas em profundidade semi-aberta, análise do discurso e de conteúdo, e observação sistemática, além de ampla pesquisa bibliográfica – tudo seguindo uma abordagem qualitativa. Os principais resultados apontam que, como um discurso, tais atividades artísticas e culturais envolvendo grupos de imigrantes revelam constante alternância de foco da particularidade e estão orientadas para uma grande diversidade de fins. O importante é que, ao recorrerem a tais experiências, os sujeitos imigrantes se tornam mais conscientes da prática em que estão envolvidos como produtores e consumidores daquelas sensações: das forças sociais e interesses que as moldam, das relações de poder e ideologias que as investem, seus efeitos sobre as identidades sociais, culturais, étnicas e nacionais, bem como nas interações simbólicas e seu papel nos processo de mudança cultural e social.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
CLAUDIA PESTANA SIMÕES
Poéticas e Poli(est)éticas de Si: a performance e o yoga na produção de subjetividades dissidentes
Orientador: André de Souza Parente

Obs: a aluna ainda não entregou cópia da tese.
DANIEL FONSÊCA XIMENES PONTE
A Televisão Além do Alcance: táticas e estratégias da Rede Globo diante dos limites do modelo de negócios da TV aberta comercial no Brasil
Orientadora: Suzy dos Santos
Resumo: O Grupo Globo, tendo à frente a rede de televisão, é o principal agente econômico do setor das comunicações no Brasil, embora enfrente, marcadamente nos últimos quinze anos, um forte viés de baixa no share de audiência, além da redução no lucro líquido. Partindo da história e da estrutura da televisão brasileira, este trabalho pretende apontar algumas mudanças de rota nas táticas e nas estratégias de mercado da Globo diante da fragilização do modelo de negócios da radiodifusão, fortemente impactado pela emergência de novos hábitos de consumo cultural e por uma importante inflexão na oscilação positiva de segmentos socioeconômicos, mais especificamente da chamada (nova) classe média. Frente a essas reconfigurações, a base de sustentação da radiodifusão, a relação audiência/tempo – vendida como mercadoria pelos meios de comunicação aos anunciantes – tem sofrido intensos abalos, que são reforçados pela ampliação dos serviços de Internet e de televisão por assinatura. Assim, esta pesquisa mapeia ações, projeções e resultados que o principal braço do grupo tem buscado para enfrentar essas transformações no mercado, abordando, ainda, as influências da ascensão dos serviços OTT/VoD, as interações com o setor de telecomunicações e as mudanças regulatórias em curso.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
DANIELE PIRES DE CASTRO
Mobilidades Errantes, Corpos Vulneráveis: o Contato Improvisação além da técnica
Orientadora: Maria Cristina Franco Ferraz
Resumo: A modernidade e a construção do sujeito moderno fundaram-se sobre um modelo de mobilidade baseado na noção de avanço. Esse avançar é composto de objetivos e planos, continuamente substituídos por outros ainda mais avançados, traçando uma linha contínua, evolutiva e infinita. O indivíduo, inserido nessa lógica, constrói-se a partir de um ideal de sujeito ativo, autônomo e interessado em seu desenvolvimento pessoal, que o coloca em uma engrenagem de continua automobilização. A objetificação da ação cria as bases para um tipo de relação consigo mesmo e com o mundo que também é objetificada. É preciso aprimorar o corpo e a própria imagem, tornando-os uma vitrine de si. Nesse contexto, a visualidade toma o lugar principal dos processos de subjetificação e percepção do outro. Tendo em vista esse diagnóstico, investigamos as possibilidades de experimentar outros modos de mobilidade e constituição de si através da dança. Nosso objeto é o Contato Improvisação, uma pratica de dança contemporânea originada no movimento contracultural norteamericano da década de 1960 que continua sendo difundida no mundo todo. Por meio de uma metodologia que combina experiência pessoal, pesquisa bibliográfica e observação, produzimos uma análise que foca nos dois principais aspectos dessa prática, o improviso e o contato, para pensar, no dialogo com áreas da filosofia, da comunicação e da cultura, a seguinte questão: como a prática do Contato Improvisação aciona outra forma de mobilidade e transforma nosso modo de estar no mundo? O improviso nos coloca diante de uma mobilidade sem orientação, que é, ao mesmo tempo, sem objetivo e sem forma. O contato nos estimula a mobilizar uma relação com o mundo que enfatiza a percepção tátil e a vulnerabilidade, em detrimento da visão e do distanciamento. Juntos, esses dois aspectos promovem a constituição de um ente que não se compreende mais no domínio de sua própria mobilidade e sua imagem. Ele deixa de ser um sujeito ativo e autogestor, para se tornar coisa vulnerável a toda sorte de afetos e transformações que o lance por outros cruzamentos e vias secundárias.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
DARIA LAVRENNIKOVA
Corpos Sensíveis. Campo de Presenças em Movimento: laboratório de dança e práticas coletivas
Orientador: Giuseppe Cocco
Resumo: Neste trabalho, estamos respondendo à realidade contemporânea em que vivemos, com o desejo de deslocar-se além dos modelos antropo-lógicos auto-centrados, que se propagam através do sistema educacional convencional, a mídia de massa e através de uma globalização e universalização de noções de cultura. Sob as condições do capitalismo cognitivo, devemos ampliar nossa consciencia de como nossos corpos e mentes estão sendo mobilizados e para que fins. Nesta pesquisa, reivindicamos, exploramos a mobilização de corpos sensíveis como campos de presenças em movimento, em contínuum com seu meio ambiente. Através de laboratórios de dança e práticas coletivas, nos engajamos em uma filosofia em ação, deslocando-se para além de paradigmas dualistas e dicotômicos tanto em relação ao corpo, como em relação ao noção do pensamento, linguagem, conhecimento e cultura. Nesses laboratórios, investigamos a dança como uma ferramenta para ativar práticas coletivas, incorporadas na definição multidimensional de subjetividades, ativando o campo de co-produções de subjetividades e corporealidades em suas singularidades. Os laboratórios de dança fazem parte de um fenômeno maior de chamada global para o engajamento crescente das linguagens artísticas experimentais nas práticas sociais, colaborativas e coletivas no mundo da arte contemporânea. Essas tendências estão em ressonância com a ampliação das noções de co-autoria e não mais espectadores, para o agenciamento de um novo protagonismo-participante, além de provocar mudanças epistêmicas nas estruturas de criação, não mais baseados em produtos mas em processos coletivos. Esta pesquisa está respondendo a uma necessidade que vem da sociedade contemporânea para deslocar a centralidade do campo artístico na direção de novas formas de ativar e fazer parte de outros modos de estar juntos, e outras possibilidades de interlocuções sociais. Esta pesquisa se alinha a emergencia de dos novos paradigma éticoestéticos, ativos em uma zona híbrida das relações sociais, entre sintomas e intuições, reconfigurando um método elíptico, entre a prática e a teoria, entre a experiência e uma reflexão construtivista conceitual, que também orienta a própria escrita encarnada e performativa. A configuração elíptica se faz de dentro do processo de entrelaçar ação, escrita e reflexão usando ferramentas de dança experimental e performance. Assim começamos a elaborar e reconfigurar um método a partir da generosidade e cuidados como pilares que apoiam e orientam as viradas nas práticas artísticas coletivas.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
DENISE MARIA MOURA DA SILVA LOPES
Estruturas e Dinâmicas do Mercado Brasileiro de TV por Assinatura no Processo de Reprodução do Capital
Orientador: Marcos Dantas Loureiro
Resumo: A pesquisa aqui desenvolvida trata das estruturas e dinâmicas do mercado de televisão por acesso condicionado brasileiro inserido no processo de acumulação capitalista. Discorre sobre como os agentes econômicos, políticos, regulatórios e sociais têm se posicionado diante das transformações nesse setor que materializa uma nova forma de acumulação baseada na informação em sua forma sígnica. A tese é desenvolvida tendo como referencial teórico os estudos em Economia Política da Comunicação. Nesse sentido, discute os movimentos e contexto que levaram a economia capitalista de sua forma fordista ao capitalismo informacional fundamentado na sociedade espetacular para então localizar as transformações nas indústrias culturais no novo modo de acumulação capitalista. Enquanto parte das indústrias culturais que reúne diversos elos da cadeia produtiva do espetáculo, funcionando como agente do capital e mediador simbólico, a TV por assinatura é analisada a partir do modo como disputa as rendas informacionais, baseada nos direitos de propriedade intelectual e nos jardins murados. Numa perspectiva histórica, são analisadas as transformações econômicas, políticas, regulatórias e tecnológicas pela qual passou o setor de TV por assinatura para se chegar ao momento atual do setor no processo de acumulação capitalista. As análises empíricas dos agentes que atuam na programação e na distribuição e de suas estratégias de negócios permitiram a visualização das estruturas do mercado, enquanto as análises dos agentes regulatórios e das diferentes disputas no interior do Estado deram a tônica das dinâmicas do setor. As análises desenvolvidas nos levam à conclusão de que apesar do poder dos grandes conglomerados sobre o mercado brasileiro, o Estado tem conseguido avançar na regulação do setor e no fortalecimento da produção nacional, embora ainda precise aprimorar mecanismos para o fortalecimento de agentes nacionais na operação e na programação.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
DIEGO ALONSO GARCÍA RAMÍREZ
Historia de la Televisión en Colombia: procesos de regionalización y resignificación del paisaje televisivo
Orientadora: Marialva Carlos Barbosa
Resumo: Esta tese tem como objetivo analisar criticamente a história da televisão pública regional na Colômbia. A partir de fontes primárias e secundárias procura-se descrever e caracterizar o nascimento das emissoras regionais: Teleantioquia, Telecaribe e Telepacífico durante os anos 80, destacando as transformações geradas na paisagem televisual colombiana que até essa época estava nas mãos de duas emissoras públicas nacionais nacionais que concentravam a produção e o conteúdo na capital do país, enquanto outras cidades e regiões eram praticamente invisíveis. Portanto, o advento da televisão regional expandiu os referentes simbólicos para pensar e imaginar a nação em um país com uma forte tradição centralista.
Reconstruir a história dessas emissoras também teve como objetivo questionar o modelo de financiamento e estrutura administrativa destinado a mostrar como a televisão pública colombiana não tem tido autonomia dos poderes econômicos e políticos. A pesquisa foi realizada em um momento político e tecnológico particular no qual a digitalização está mudando as formas de produção, circulação e consumo dos conteúdos audiovisuais, mas no qual a relevância da televisão pública continua a ser essencial para a diversidade e pluralidade.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
GIULIANO DJAHJAH BONORANDI
Neoliberalismo, Redes e Afetos: uma cartografia da experiência espanhola
Orientador: Henrique Antoun
Resumo: Esta pesquisa tem como objetivo cartografar as recentes experiências políticas espanholas a partir do acontecimento 15M e suas subsequentes iniciativas. Em primeiro lugar, buscamos compreender o neoliberalismo como fenômeno global de expansão da subejtividade-empresa e da lógica concorrencial para observar as especificidades deste processo no território espanhol e como seus efeitos, notadamente a crise imobiliária de 2008, foram catalisadores dos arranjos constituintes de novos movimentos sociais e apostas políticas. Em seguida, abordamos os afetos como motores de propostas de atuação política a partir de 3 eixos: a aposta pós-hegemônica influenciada pelo pensamento de Ernesto Laclau que se materializou no partido Podemos e que tem a transversalidade discursiva e a ocupação de significantes vazios como linhas de ação ; a aposta tecnopolítica que pleiteia o desbordamiento afetivo como método de criação de acontecimentos e produção de novas sensibilidades com ênfase no uso de Novas Tecnologias de Comunicação e Informação; e a aposta territorial-afetiva do sindicalismo social que pleiteia uma feminilização da política a partir do encontro presencial e da ajuda mútua. Tais apostas engendram diálogos e conflitos que também se manifestam nas formas de organização. Por isso, abordamos as redes e suas topologias organizativas para compreender como tais abordagens se traduzem em criação de métodos e ferramentas de participação política.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
ÍCARO FERRAZ VIDAL JUNIOR
Câmeras Inteligentes: técnica, estética e política
Orientadora: Fernanda Bruno
Resumo: A presente pesquisa propõe uma cartografia de algumas repercussões técnicas, estéticas e políticas ligadas a emergência e proliferação das câmeras inteligentes em diversos domínios, que vão da segurança pública à arte contemporânea, passando pelas ciências médicas e pelas atividades militares. A tese estrutura-se em duas partes. Na primeira, intitulada Programa, abordamos o que chamamos de “programa” (BRUNO, 2012) das câmeras inteligentes, ou seja, aquelas características que, já conquistadas tecnicamente ou apenas propagadas retoricamente, nos permitem pleitear as câmeras inteligentes enquanto locus privilegiado para o escrutínio das inflexões contemporâneas nos regimes escópicos modernos. Nesta parte, abordamos as mutações contemporâneas nos regimes de temporalidade, no estatuto da imagem em meio às relações epistemológicas e representacionais que ela medeia, bem como na distribuição topológica destas imagens no mundo. Ao passo que o segundo bloco desdobra o programa descrito na primeira parte da tese, enfatizando suas implicações no âmbito das relações entre técnica, estética e política, precisamente a partir das câmeras inteligentes dotadas das funções de reconhecimento de gestos e de rostos.

Obs: O aluno não disponibilizou a tese para consulta.
JANAINE SIBELLE FREIRES AIRES
Comunicadores-Políticos no Brasil: um elo de conexão entre os sistemas midiático e político
Orientador: Suzy dos Santos
Resumo: Este estudo examina a atuação das comunicadoras-políticas e dos comunicadores-políticos, atores sociais que exercem concomitantemente funções na política – seja no poder executivo, seja no legislativo - e na comunicação como apresentadoras, apresentadores, repórteres e comentaristas de televisão. Presentes no rádio, no jornalismo impresso e ambiente virtual, tais personagens são importantes na conjuntura eleitoral e política brasileira, cujo prestígio está fundamentado no papel social exercido no conjunto das redes simbólicas e clientelares que interligam a produção midiática e seu público. O objetivo foi propor uma tipologia a partir da análise do papel que desenvolvem conectando o sistema midiático ao sistema político, considerando a propriedade da radiodifusão, o gênero de programação sobre o qual se projetam e a plataforma política formada por partido, pela camada e pelo tipo de poder. Apoiando-se no conceito de espacialidade proposto por David Harvey (2006), esta tese analisa a interlocução destes atores nos espaços materiais, nos espaços de representação e na representação dos espaços através da aplicação da matriz das espacialidades comunicacionais (AIRES; SANTOS, 2017). Como hipótese indica-se que a natureza do vínculo midiático determina o vínculo político estabelecido, já que a construção política de tais personagens é elaborada a partir da intersecção dos interesses do radiodifusor, do partido e da avaliação sistemática dos interesses do público. Assim, tais atores são importantes no sistema de coronelismo eletrônico, por isso é fundamental traçar os diferentes papéis assumidos por comunicadoras-políticas e comunicadores-políticos para entender a dinâmica assimétrica de poder e de negociação que caracteriza a radiodifusão no Brasil.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
JANE CLEIDE DE SOUSA MACIEL
Imago Mundi e a Fotografia em Rede: tramas tecnopolíticas do atlas #ProtestosBR
Orientadora: Fernanda Glória Bruno
Resumo: Investigação sobre os aspectos contemporâneos da produção e circulação das imagens fotográficas, considerando as relações que estas estabelecem entre si e com outras imagens, que nesta pesquisa visam ser exploradas, apreendidas e apresentadas através do conceito de rede e de noções adjacentes: atlas, mapas e cartografias. Ao compreender que as imagens agem na cultura e na sociedade, articulando-se com nossos mundos subjetivos e coletivos, propomos explorar duas perspectivas conceituais como instrumentos de orientação e navegação pelo o que chamamos de imago mundi, mundo de imagens amplamente expandido pelas tecnologias digitais: a Forma Atlas, inspirada pelo Atlas de Imagens Mnemosyne, de Aby Warburg; e a Forma Cartográfica Ator-Rede, guiada pela Teoria Ator-Rede a partir da obra de Bruno Latour. Essas teorias nos auxiliaram no experimento de pesquisa e montagem de imagens de protestos brasileiros a partir dos acontecimentos conhecidos como jornadas de junho de 2013, que foram reunidas primeiramente no arquivo do projeto “Atlas #ProtestosBR”, construído de maneira colaborativa na internet, e que foi expandido em nossa pesquisa pela elaboração de um inventário de imagens políticas. O transbordamento de seus limites pelas migrações temporais e espaciais motivará nossa discussão a respeito da sobrevivência das memórias e da visibilidade tecnopolítica. Assim, apresentamos quatro pranchas, planos de trabalho que relacionam diferentes imagens a partir de suas formas/forças que expõem as tensões de heterogêneas manifestações políticas, tornando visíveis cenas dissensuais, o logos e a aisthesis no comum partilhado. As pranchas são acompanhadas de relatos que re-traçam os caminhos percorridos na busca por imagens e pelas formas de existências que as atravessam. Pela assimilação dos seus movimentos fluidos nas redes digitais, questionamo-nos sobre a possibilidade de um saber visual feito pela concatenação dos pontos agentes do imago mundi, que opera, “faz fazer”, constituindo-nos como sujeitos e mais particularmente, influenciando nos processos de subjetividade política. Imagens-redes como condutoras de um conhecimento constelar, que desdobramos e planificamos pela aproximação e distanciamento de seus rastros energéticos, considerando que os sentidos e os afetos de suas agências tornam-se visíveis e logo, possíveis de serem estudados, nas relações entre imagens.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
JHESSICA FRANCIELLI REIA
Os Palcos Efêmeros da Cidade: táticas, ilegalismos e regulação da arte de rua em Montreal e no Rio de Janeiro
Orientador: Micael Maiolino Herschmann
Resumo: O objetivo central desse trabalho é analisar como se cria e no que interfere a regulação da arte de rua e dos espaços públicos em que ela acontece em Montreal e no Rio de Janeiro, a partir de uma perspectiva da comunicação urbana. Partindo de um estudo da regulação e das táticas de resistência de práticas ligadas especificamente à música e ao teatro de rua nessas duas cidades se pretende debater o papel da regulação da arte de rua (em uma perspectiva histórica e o lugar que ela ocupa hoje), assim como questionar os binários que geralmente se associam a ela (legal/ilegal, legítimo/ilegítimo, formal/informal, amador/profissional, pedinte/artista), mostrando a complexidade dessas atividades, uma vez que entre cada uma dessas categorias cabem muitas práticas e questionamentos. Também buscou-se discutir as táticas e o engajamento de artistas de rua em processos legislativos, decisórios e de políticas públicas para a legalização, o reconhecimento e a legitimação da arte de rua nas cidades estudadas. Além disso, questionou-se se essas performances, normalmente alijadas das tradicionais instituições e espaços de arte legitimados pela sociedade, podem emergir como força movente nas cidades contemporâneas, promovendo outros olhares, encontros e experiências, assim como diferentes formas de sentir e estar nos espaços públicos urbanos. No geral, a arte de rua se apresentou como um importante objeto de estudo, capaz de evidenciar disputas pelo direito à cidade. A arte de rua apresenta muitas intersecções com outras atividades que se desenvolvem nos espaços públicos e podem contribuir para o imaginário e a vida urbana de muitas formas: arte de rua como processo comunicacional, como parte da paisagem sensível da cidade, como elemento da cidade lúdica e na promoção de uma cidade de encontros e sociabilidades. Este trabalho se baseou em extensa revisão bibliográfica e documental e em pesquisa de campo, nas duas cidades, que incluiu entrevistas qualitativas semiestruturadas, observação participante e registro visual do objeto de estudo. Algumas dos resultados apontam que a regulação da arte de rua assume pelo menos três papéis entrelaçados: a regulação como oportunidade, proteção e legitimação, uma vez que reconhece a arte de rua como algo legal, respaldando também a ocupação de certos espaços públicos pelos artistas; a regulação como delimitação das práticas, determinando quem pode ser músico de rua, onde, quando e sob quais condições. Esse papel se desdobra em um terceiro: a regulação como exclusão e reprodução de desigualdades, pois além de não alterar as condições de trabalho dos artistas, acaba excluindo pessoas dessa atividade e também exerce um controle arbitrário sobre o acesso aos espaços públicos e à arte na cidade. É preciso enxergar as vantagens da regulação, ao mesmo tempo em que é necessário ter em mente suas limitações e sua força de exclusão. Ela também não pode ser vista como um fim em si mesmo, mas um primeiro passo a ser dado para fomentar cidades que disponham de cada vez mais espaços (materiais e simbólicos) para performances e oportunidades de encontro.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
JHONATAN ALVES PEREIRA MATA
O Amador no Audiovisual: a incorporação de conteúdos gerados por cidadãos comuns às produções jornalísticas da televisão brasileira
Orientadora: Beatriz Becker
Resumo: O amador no audiovisual brasileiro contemporâneo estabelece um vínculo ?híbrido? com as produções de telejornalismo, que mescla autoria, curadoria e audiência por parte dos ?não-jornalistas?. Nesse ambiente, a redefinição – ou por vezes indefinição- de fronteiras entre o amadorismo e o profissionalismo são as principais responsáveis pelo caráter híbrido das referidas relações. Analisamos, por meio dos Quadros colaborativos: ?Outro Olhar?- TV Brasil e ?Parceiro do RJ?- Rede Globo, a TV como fenômeno de cultura e prática social. E, desse modo, o papel do cidadão comum, enquanto ?jornalista colaborativo? no cenário atual do telejornalismo brasileiro. Ambos os quadros abrem espaço para a atuação de cidadão nas funções de jornalista (repórter, pauteiro, cinegrafista, assistente de edição, etc.). O objetivo é perceber se o jornalismo colaborativo no país, por meio de nosso recorte, colabora para uma prática jornalística mais plural, promovendo descentralização nas abordagens e escolhas daquilo que se transforma em notícia. Nossa tarefa principal consiste, portanto, em mapear, por meio de dois quadros colaborativos da tevê aberta no país, como se processam os encaixes (TODOROV, 2004) do amador no audiovisual, os níveis de (in) subordinação ao relato ?profissional? do telejornal, quais tempos e espaços são apropriados pelo não-jornalista ao irromper (no) ou interromper o noticiário, com produções equalizadas em maior ou menor grau com o discurso das emissoras e de suas linhas editoriais. Como objetivos específicos, buscamos compreender as contradições e semelhanças que possam existir entre o material produzido pelos cidadãos comuns na televisão pública (TV Brasil) e na comercial (RJTV-Rede Globo). Para o procedimento metodológico, trazemos a Análise televisual (BECKER, 2012), que permite uma leitura crítica de conteúdos e formatos noticiosos que utilizam a linguagem audiovisual e os recursos multimídia na TV e web, considerando que a expressiva participação das audiências, a transmidialidade e a hibridização de linguagens são características relevantes dos atuais processos de comunicação midiáticos. As etapas dessa metodologia consistem em 1-Descrição do objeto, 2- análise televisual (quali-quantitativa, com 6 categorias básicas e 3 princípios de enunciação) e 3-interpretação dos resultados. Estrutura do texto Temática, Enunciadores, Visualidades, Som e Edição são as categorias apliicadas na análise quantitativa, enquanto Fragmentação, Dramatização e Definição de Identidades e Valores integram os princípios de Enunciação utilizados na Análise Qualitativa.Como resultados, descobrimos que ?o conteúdo audiovisual colaborativo é colocado à margem do agendamento operacionalizado pela produção noticiosa.Essa conduta, por parte das duas emissoras, confere aos quadros colaborativos, pela pouca ligação com o restante do ?corpo? do telejornal- produzido por ?profissionais?- a sensação de que são uma espécie de ?produto enxertado? na narrativa, fragmentos audiovisuais pouco contextualizados, que operam uma quebra do fluxo discursivo do telejornal. A desnaturalização deste procedimento revela que esses enxertos audiovisuais são apostas e não certezas de valorização e incorporação do discurso alheio e implicam os ônus e bônus da segregação a que são submetidos.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
KELLY SCORALICK
Por uma TV Acessível: a audiodescrição e as pessoas com deficiência visual
Orientadora: Liv Rebecca Sovik
Resumo: A audiodescrição (AD) é um recurso de acessibilidade comunicacional que beneficia as pessoas cegas ou com baixa visão. Consiste na descrição das imagens do que está sendo apresentado. Esse recurso já vem sendo usado para alguns produtos audiovisuais, mas ainda é pouco usado na televisão. Hoje está disponível basicamente em filmes, documentários e séries. O objetivo desta tese é apresentar as possibilidades de inserção da AD em diferentes gêneros televisivos, entre eles, infantil, musical, desenho, variedades, auditório, talk show, humorístico, novela, telejornal, debate e ainda gênero híbrido. Trabalha com a hipótese de que a audiodescrição desperta novas sensações e recupera informações que ficam perdidas quando o recurso de acessibilidade não é utilizado nos gêneros televisivos. Veet Vivarta, Marcia Moraes e Virgínia Kastrup, Peter Freund, Romeu Kazumi Sassaki, Victor Gentilli, Eliana Franco e Vera Santiago Araújo, Francisca Medeiros, Wilson Carvalho e Célia Maria Magalhães, Alexandra Seoane e Vera Santiago Araújo, Flávia Machado, Priscila Lima, Eugênio Bucci, Maria Rita Kehl e Dominique Wolton, principalmente, são as referências para nossa fundamentação teórica. Para essa pesquisa foi feito um estudo de recepção com pessoas com deficiência visual para colher críticas e sugestões sobre o uso da AD nos programas e averiguar se a utilização do recurso aumenta a compreensão do que está sendo exibido ou se é uma ferramenta dispensável nesses produtos audiovisuais. O grupo focal foi desenvolvido no Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro (RJ) e na Associação dos Cegos, em Juiz de Fora (MG), com aplicação de questionário, gravações em áudio e observações realizadas durante sessões de exibição dos produtos audiodescritos sobre as reações dos voluntários no grupo focal. A investigação conclui que a AD é funcional na televisão, em todos os gêneros abordados, fazendo com que as pessoas cegas ou com baixa visão possam acompanhar o que está sendo exibido na TV sem perda de informação. Desde o nome do entrevistado aos trajes e características físicas dos apresentadores e convidados, na movimentação de cena no estúdio e em sobe som de reportagens, assim como é fundamental a AD das vinhetas e de lettering que é utilizado em alguns programas. Mas, no entanto, créditos maiores, como os referentes aos responsáveis pela edição, filmagem, finalização, por fazerem sobreposição de áudio, devem ser usados com cautela.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
LEILA SALIM LEAL
"Culpe a Era em que Vivemos": comunicação, cultura e sujeito nos movimentos sociais contemporâneos
Orientador: Eduardo Granja Coutinho
Resumo: Pretendemos elaborar uma investigação sobre o sentido da comunicação para os movimentos sociais contemporâneos que, partir da categoria da totalidade, seja capaz de identificar o que há de novo e/ou específico na relação entre o capitalismo contemporâneo e a mídia, discutindo o lugar ocupado pelos meios de comunicação na reprodução ideológica e material do capitalismo, o tipo de sociabilidade que expressam e produzem e como agendam a disputa política especificamente, colocando no centro do debate as conexões entre a cultura da mídia e o status da reificação, da alienação e da ideologia sob as condições impostas pelo capitalismo contemporâneo. Buscando uma análise que não se restrinja à identificação e celebração da utilização das novas tecnologias de comunicação para a constituição dos movimentos sociais contemporâneos, investigamos, de maneira combinada, a comunicação produzida pelos próprios movimentos e a comunicação dos meios hegemônicos a seu respeito. Parece-nos central perceber em que medida a comunicação própria dos movimentos, ao se desenvolver no campo de uma práxis contestatória e/ou antissistêmica, resiste e refuta, mas também importa e reproduz, as marcas ideológicas e reificadas da comunicação hegemônica.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
LUCIANA CARLA DE ALMEIDA
Narrar a Ditadura: subjetividade e gênero no documentário brasileiro (1996-2013)
Orientadora: Beatriz Jaguaribe
Resumo: A tese de doutorado examina as narrativas produzidas por mulheres documentaristas que tangenciaram as memórias da ditadura civil militar (1964-1985). A filmografia central da pesquisa tem como referência um grupo específico de oito documentários realizados entre 1996-2013 por Maria Oliveira e Marta Nehring, Flávia Castro, Lúcia Murat, Tuca Siqueira, Isa Grinspum Ferraz, Mariana Pamplona e Maria Clara Escobar. A hipótese defendida é que há três pontos comuns na abordagem destes filmes de autoria feminina: a prevalência do self, a exposição do fragmento de si como evidência do testemunho e a produção de relatos verossímeis diante da perda e do trauma de familiares. O objetivo principal é problematizar a guinada subjetiva e o protagonismo de gênero na emergência de subjetividades geracionais sobre a memória da ditadura. O método de análise parte de paralelos comparativos entre os filmes, enfatiza a identificação dos mecanismos de reconstrução das histórias de vida e a interpretação de uma memória pública a partir dos afetos subjetivantes. Esses documentários democratizam afecções através de imagens pedagógicas, fortalecem resistências e potencializam políticas públicas voltadas à verdade, justiça e reparação no Brasil.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
LUIZ FELIPE FERREIRA STEVANIM
A Luta pela Comunicação Democrática: atores, concepções e práticas do movimento pela democratização da comunicação no Brasil
Orientadora: Suzy dos Santos
Resumo: Esta tese pretende analisar o papel do movimento pela democratização da comunicação no Brasil, a partir dos atores, concepções e estratégias em disputa no Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC). Busca-se entender as lógicas dos atores sociais que atuam neste campo, bem como de que modo disputam hegemonia, por meio de suas práticas e discursos, tanto na organização do movimento quanto no esforço de construir políticas públicas de caráter democrático no setor. O foco central da análise é o período de mobilizações que se inicia com a rearticulação do movimento, a partir de 2001, e estende-se até o presente — fase que se caracteriza por um processo de ampliação e diversificação dos atores, concepções e estratégias. O estudo relaciona a diversidade de visões e práticas sobre a comunicação democrática com as condições do contexto político, social e cultural em que essas lutas se inserem. Buscamos encadear tanto uma abordagem sobre a estrutura quanto um olhar sobre a dinâmica dos sujeitos sociais e, portanto, tomamos por base a articulação entre quatro níveis de análise: 1) o contexto sócio-histórico; 2) a organização dos atores; 3) as concepções e os discursos; 4) e as práticas políticas. Parte-se da ideia de que os movimentos sociais da comunicação são atores que disputam hegemonia na sociedade civil, no sentido atribuído por Gramsci. Tal embate ocorre tanto internamente, pela direção político-cultural do movimento, quanto externamente, nas ações de negociação ou enfrentamento com o Estado, o mercado ou outros atores sociais. Portanto, para entender a dinâmica deste movimento na contemporaneidade, faz-se necessário também: a) retomar os debates e a pluralidade de visões em torno dos conceitos de democratização da mídia e de direito à comunicação, formulados nos cenários internacional e brasileiro; b) buscar as raízes históricas das lutas pela comunicação democrática no Brasil, nas décadas de 1980 e 1990; e c) compreender a emergência de novos sujeitos políticos e demandas sociais, que se combina com a ampliação e diversificação do debate em torno desta agenda no período de 2001 a 2016. A hipótese deste trabalho é que o movimento pela democratização da comunicação abrange uma diversidade de atores, concepções e práticas políticas, que buscam desde a transformação ampla dos sistemas de comunicações até a acomodação na estrutura vigente. Desse modo, as lutas pela comunicação democrática almejam a transformação do modelo das comunicações brasileiras e, nesse sentido, podem ser entendidas como movimentos contra-hegemônicos. Contudo, diante da conjuntura e dos reflexos das relações assimétricas de poder, adotam estratégias de acomodação à ordem vigente, em reivindicações que percebem como “possíveis” dentro do campo político.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
MANNUELA RAMOS DA COSTA
Cinema Brasileiro Independente no Contexto Contemporâneo: entre a ficção e a realidade
Orientador: Micael Maiolino Herschmann
Resumo: O cinema brasileiro independente parece estar tomando novamente tomando a rota do desenvolvimento. O trajeto inclui novas formas de produção, circulação e consumo dos bens, serviços e atividades culturais, fortemente impulsionados pela incidência das novas tecnologias de informação e comunicação. Nos últimos 10 anos, vários fatores podem ser apontados como propulsores do desenvolvimento do segmento: o amadurecimento e crescimento das políticas públicas para o setor; mudanças no ambiente regulatório; a ampla difusão de tecnologias de digitais de captação de imagem e som; e a eclosão de coletivos que empregam formas diferenciadas de criação e produção de obras cinematográficas. Diante desse contexto, o estudo busca analisar essas formas de produção e os aspectos definidores de sua existência. Para tanto, utiliza um aporte teórico que permite a delimitação de um campo epistemológico da economia da cultura, mais precisamente do audiovisual, analisando também a visão de desenvolvimento que tem orientado a ação do Estado no setor. O que é o cinema independente no Brasil? Que filiações estéticas, políticas e econômicas encerra? Além disso, propõe uma virada na chave interpretativa da economia da cultura na tentativa de inverter algumas perspectivas de análise e valoração do segmento cultural. Ao partir desse ponto de vista, propõe uma análise sobre as políticas públicas para o cinema e o audiovisual brasileiros contemplando sua história e as questões políticas que a ela se relacionam, com maior ênfase a partir de 2006, ano de criação do Fundo Setorial do Audiovisual. Por fim, apresenta o resultado de uma pesquisa de campo, realizada com quatro produtoras de audiovisual, de diferentes regiões do país, originadas de coletivos e grupo criativos, a fim de mapear as formas de agrupamento, realização cinematográfica e de funcionamento, bem como as relações de mútua influência entre aqueles e a institucionalidade do segmento. A tese é de que essas formas espontâneas de realização, nascidas de condições marginais de produção e circulação das obras, baseadas no afeto e na partilha, são fontes de inovação para o setor, mas acabam por forçosamente se ajustar às condições hegemônicas impostas pelo ambiente institucional e mercadológico, em maior ou menor grau.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
MARIANNA DE ARAUJO E SILVA
Samba de Calçada: malandragem e militância na obra de João Nogueira
Orientador: Eduardo Granja Coutinho
Resumo: Este é um estudo sobre a obra de João Nogueira. Tendo como ponto de ponto de partida sua relação com a tradição do samba carioca e sem pretensões biográficas, esta pesquisa buscou refletir acerca da significação social do trabalho do sambista. A perspectiva que nos orienta é de que as criações artísticas são sempre expressão de uma visão de mundo que encontra correspondência com as lutas de classes. Assim, procuramos analisar a obra do sambista no contexto em que se dá a inserção definitiva da economia brasileira no processo de internacionalização do capital.
Para tanto, nos debruçamos sobre os 17 discos que ele gravou durante a carreira e sobre sua atividade militante enquanto fundador e presidente do Clube do Samba. Compondo e cantando durante o período em que o país viveu sob uma ditadura militar, João Nogueira acompanhou o intenso desenvolvimento da indústria de bens culturais no Brasil e fez parte da geração que emergiu com o boom provocado pelo “milagre econômico”. Nesse cenário, o mercado fonográfico cresceu exponencialmente, acompanhado do desenvolvimento de uma duradoura produção artística nacional. Este processo não se desenrola sem contradições e é em meio aos conflitos da decisiva década de 1970 que João Nogueira vai lançar as bases de sua obra. Ao longo da pesquisa, identificamos uma dialética particular entre malandragem e resistência na trajetória dele. Esta tese busca, portanto, investigar como, articulando o samba sincopado à militância em prol da música popular, João deu vida àquilo que chamou de samba de calçada, música urbana que não era do morro, nem da escola de samba, mas profundamente vinculada à tradição e às questões do seu tempo.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
PATRÍCIA DA VEIGA BORGES
Cultivos do Comum: comunicação e produção de ruralidades no Rio de Janeiro
Orientadora: Raquel Paiva de Araujo Soares
Resumo: Esta tese segue uma abordagem comunicacional e traça um mapa narrativo por entre subúrbios e serras do Rio de Janeiro, buscando perceber o que é vinculativo nas relações. O ponto de partida é a Praça Marechal Maurício Cardoso, localizada entre os bairros de Olaria e Penha, onde, desde 2014, é realizada a Feira Orgânica da Leopoldina – primeira do gênero na região. Na intersecção da praça e da feira, é iniciado um trabalho etnográfico que assume condição errante e viaja por outros bairros, bem como por localidades dos municípios de Tanguá (Região Metropolitana) e Petrópolis (Região Serrana). A trajetória, que se constrói em movimento e articula múltiplos modos de fazer, permite descrever territórios e vidas, apontando para um contexto de disputa territorial e simbólica pelo espaço público e pelos bens comuns. É estabelecida convivência com 27 interlocutores, entre agricultores, consumidores de alimentos orgânicos, ativistas socioambientais, comerciantes, transeuntes e “curiosos”, visando compreender: a) o que povoa a imaginação dos entrevistados, que vivem no campo e na cidade, a respeito de um “mundo rural”; b) como a ruralidade é produzida. Ao final da jornada, a seguinte proposição se apresenta: o processo de produção de ruralidade, ancorado em vivências que imbricam o real e o virtual, se faz e desfaz a partir da comunicação, reunindo expectativas, desejos e experiências. Deste modo, as ruralidades são entendidas como elementos vinculativos da cidade e todas as tentativas de vinculação são consideradas “cultivos do comum”.

Obs: O site não está carregando o arquivo. Para acessá-lo, entre em contato com o PPGCOM
PEDRO BARRETO PEREIRA
Narrativas de Lei e Ordem: uma análise da cobertura de ´O Globo`sobre as Unidades de Polícia Pacificadora
Orientador: Paulo Roberto Gibaldi Vaz
Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar de que maneira a cobertura jornalística de O Globo sobre as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), publicada entre janeiro de 2014 e agosto de 2016, contribui para a construção, legitimação e consolidação de uma política de Segurança Pública no estado do Rio de Janeiro. Para realizar esta pesquisa quantitativa, é utilizado o método da frame analysis (GOFFMAN, 2012), aplicado aos pacotes interpretativos (BECKETT, 1997) acerca do crime e da violência. Com isso, busca-se compreender de que maneira, ao eleger uma determinada agenda, dados enquadramentos e ao dar voz a determinados atores sociais, ao invés de a outros, aquele periódico oculta ou reduz outros tantos aspectos possíveis. Desta forma, procuramos investigar, entre outras questões, quais são os mecanismos narrativos por meio dos quais esse processo é realizado, qual público é priorizado e qual é relegado e, em alguma medida, quais os resultados dessa escolha narrativa.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
RENATA CRISTINA DE OLIVEIRA TOMAZ
O Que Você Vai Ser Antes de Crescer? Youtubers, Infância e Celebridade
Orientador: João Freire Filho
Resumo: Esta tese investiga como crianças usuárias de redes sociais on-line, particularmente do YouTube, deslocam-se para uma posição de relevo social. Analiso os youtubers mirins, que chegam a ter mais de 2 milhões de inscritos em seus canais na plataforma de vídeos, como fenômeno midiático oportuno para compreender a formação de novos papeis sociais da criança, no Brasil contemporâneo. A proposição central de que a infância, atualmente, não é só um tempo de crescer para ser alguém, mas também um tempo para ser antes de crescer, está baseada em três fatores: a presença ativa das crianças no espaço da internet; a busca por visibilidade como um valor premente da cultura contemporânea; e a importância que ganham as temáticas do universo infantil ao serem deslocadas do âmbito privado para o público. Argumento que, ao fazer a trajetória de uma vivência comum para um lugar de notabilidade, as crianças usuárias do YouTube põem em movimento um capital lúdico que as distingue tanto de outras crianças quanto do ideal moderno de infância. Com o aporte teórico dos Childhood Studies, a pesquisa se ampara em autores como Allisson e Adrian James, Manuel Sarmento e William Corsaro, além das contribuições de Gilles Brougère, Phillipe Ariès e Pierre Bourdieu. As discussões do trabalho se fundamentam em um estudo de caso de caráter etnográfico, conforme proposto por Christine Hine. A amostra da pesquisa é composta pelos dados colhidos dos canais Bel para meninas, Julia Silva, Juliana Baltar e Manoela Antelo e de eventos presenciais organizados para que elas encontrassem seus seguidores e fãs. Embora as experiências apresentadas pelas crianças usuárias do YouTube não indiquem uma ruptura definitiva com a infância moderna, elas apontam para o surgimento de uma infância particular, diretamente vinculada aos processos comunicacionais, por meio dos quais as crianças realizam novos modos de agenciamento.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
RENATA DA SILVA SOUZA
O Comum e a Rua: resistência da juventude frente à militarização da vida na Maré
Orientadora: Raquel Paiva de Araújo Soares
Resumo: Ao ancorar-se no universo comunicacional e cultural do cotidiano dos jovens da favela da Maré, objetiva-se encontrar elementos que possam responder à questão: Será que na Maré existe o espírito comunitário? Tal investigação se realiza em um contexto de megaeventos esportivos, como a Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016), em que houve investimentos massivos em políticas de segurança militarizada para a “pacificação” das favelas. Com base no estudo etnográfico, em uma interseção entre análises qualitativas e quantitativas, aliado à observação participante, descrições e entrevistas, descobriu-se que jovens favelados organizam de maneira autônoma iniciativas de comunicação e cultura com narrativas discursivas de resistência à militarização da vida e defesa dos direitos humanos. Uma juventude que resiste culturalmente para sobreviver socialmente. A rua, enquanto espaço público por vezes transformado em espaço privado, se configura como o local privilegiado para a ocupação cultural e comunicacional desses “crias da favela”. A hipótese comprovada por essa tese dá conta de que a política de “pacificação” desconhece a dinâmica cotidianamente comum da Maré. Dessa forma, revelou-se que, o que há em comum entre a comunidade, a favela e a cidade do Rio de Janeiro é a possibilidade de serem transformadas em mercadorias culturais. Isso obriga a favela a se reconhecer enquanto identidade, memória e resistência, algo observado na história da Maré e na consequente denominação de seus moradores como “mareenses”. Dentre as conclusões do estudo está a revelação de que a juventude favelada “intelectual orgânica” é movida pelo desejo de liberdade e atualiza o espírito comunitário através do “Direito à Favela”, do “Direito à Vida”.

Obs: O site não está carregando o arquivo. Para acessá-lo, entre em contato com o PPGCOM
THIAGO ARAUJO ANSEL
O Duplo do Pobre: o popular sujo e a ideia de Brasil Moderno
Orientadora: Liv Rebecca Sovik
Resumo: A tese trata de como, a partir de diferentes sentidos da ideia de Brasil moderno, os pobres têm sido interpretados pela mídia e pela reflexão intelectual. Em especial, nos últimos 20 anos, em torno das imagens que oscilam entre a violência e a reivindicação cidadã, criouse um enquadramento que tem organizado formas de perceber, conhecer e falar dos pobres. Isto é, de tornar inteligíveis experiências identificadas com essa população. O trabalho tenta estabelecer em termos teóricos e da crítica cultural, uma figura que parece ter ficado fora do referido enquadramento, chamada aqui de “pobre sujo”. Como define Mary Douglas, sujeira antes de impureza em si, é matéria fora do lugar. O popular sujo foge assim aos esquemas pelos quais o pobre tendeu a ser lido como rebelde, revolucionário, criminoso ou vítima. A tese enfrenta, portanto, o desafio de refletir sobre como se pode levar em conta discursos veiculados na imprensa escrita, de personagens descritos como pobres, que não cabem em tais esquemas interpretativos. Apresenta essa figura deslocada, muitas vezes ignorada por repetir o senso comum, nos termos da crítica cultural brasileira e de três pensadores de fora desta tradição - Eduardo Vivieiros de Castro, Humberto Maturana e Jacques Rancière - que propõem, por caminhos diferentes, a igualdade universal no acesso à realidade. Os três autores radicalizam o universalismo da moderna epistemologia objetivista, tomando-o ao pé da letra. Rancière o faz ao proclamar a igualdade irrestrita de inteligências; Viveiros de Castro ao generalizar o ponto de vista humano; e Maturana ao declarar que viver é conhecer e, portanto, todo aquele que vive conhece. Todos, desta forma, invertem o cogito cartesiano, transformando-o em “existo, logo penso”. Tal inversão permite ainda escutar o que diz essa sensibilidade suja do popular como interpretação do Brasil.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
WLADIMIR SILVA MACHADO
Histórias de Hipsters: moda e perfomatismo corporal em contextos descolonizados
Orientadora: Nízia Souza Villaça
Resumo: O texto apresenta uma narrativa da cultura hipster como contra-história da moda masculina no último século. Situa a moda como componente da vida moderna e atravessa o dandismo como tópico necessário a análises do tipo. Expõe transformações espaço-temporais das políticas do vestir hipster desde a era do jazz até a atualidade, intervalo que inclui a revolução cultural das décadas de 1960/1970, o consumismo dos 1980/1990 e o ressurgimento desse personagem urbano na década de 2000. Apresenta o modo como o estereótipo hipster norte-americano da década passada fora disseminado pelos territórios pós-coloniais, o que inclui anacronismos e hibridismos culturais em cidades do Brasil e do continente africano, a partir de um prisma no qual a indumentária e a tecnologia sugerem uma legitimação da cidadania pela imagem nas democracias de consumo. Examina as relações entre moda, etnia e status social; em seguida, os recursos de edição temporal de aplicativos digitais face à conexão entre fotografia e história. O performatismo contido no consumo de moda e das tecnologias da imagem permite situar o hipster como alegoria do homem contemporâneo, que integra as liturgias do capital e sugere uma concepção dêitica do corpo. Por fim, seu aspecto aurático aponta a possibilidade de desconstrução mítica do corpo dêitico, com o auxílio da noção de imagem dialética e dos estudos pós-coloniais.

Obs: O aluno não disponibilizou a tese para consulta
Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso - Histórico
REVISTA ECO-PÓS
v.21, n.01 (2018)
Dossiê 50 Anos de 1968 - Auto-retrato
HORÁRIO DE ATENDIMENTO
De segunda a sexta-feira, das 11h às 15h.
Para maior agilidade de nossas respostas e processos, favor consultar este portal antes de fazer solicitações.
ENDEREÇO
Secretaria de Ensino de Pós-Graduação da Escola de
Comunicação da UFRJ.
Av. Pasteur nº 250 - fds, Urca, Rio de Janeiro.
CEP: 22290-240
TEL.: +55 (21) 3938-5075
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro © 2014. Todos os direitos reservados