Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso
 
 
 
// TESES E DISSERTAÇÕES
TESES DE DOUTORADO // TESES EM 2007
FÁBIO LUIZ MALINI DE LIMA
O Comunismo da Atenção: liberdade, colaboração e subsunção na era do capitalismo cognitivo
Orientador: Henrique Antoun
Resumo: Essa tese aborda a Internet como um campo político. Nesse sentido, o principal objetivo desse estudo é cartografar os sistemas de comunicação inaugurados pelos internautas das chamadas redes livres (freenets), que, através de mecanismos de autoorganização, autocoordenação e de livre troca de saber e informação, estariam produzindo um mercado para um emaranhado de produtos e serviços criados a partir da colaboração em rede sem a necessidade de uma intermediação do mercado capitalista. A evolução dos sistemas de trocas de arquivo peertopeer (p2p), o desenvolvimento das publicações amadoras (os blogues e sua diversificada família: fotologues, moblogues, videologues, podcasting etc), a estrutura jurídica do copyleft e os veículos de comunicação das chamada web 2.0, são os fenômenos empíricos estudados, nesta tese, como evidências desses novos campos de expressão e de comunicação. Essas freenets são, segundo os teóricos da cibercultura, verdadeiras indutoras: (1) de um novo paradigma, o da comunicação distribuída em antagonismo ao sistema massivo; (2) de um novo sujeito, o poder da multidão em detrimento do da massa; e (3) de uma nova mídia (as chamadas mídias sociais colaborativas, pois feitas de conteúdos disponibilizados pelos usuários que cooperam em rede). Além de esmiuçar a prática da colaboração entre usuários das freenets, a tese ainda possui um amplo resgate do debate – a partir de teóricos ligados ao pensamento do filósofo político Antonio Negri – sobre capitalismo cognitivo, trabalho imaterial e multidão (necessários para explicar a política das freenets), localizando a emergência desses conceitos no deslocamento do regime fordista ao pósfordista, quando se constitui um novo regime de acumulação baseado na interconexão generalizada da sociedade em redes, aquilo que se convencionou nomear de new economy, uma economia totalmente baseada na geração de serviços (inclusive os industriais) desenvolvidos através de inúmeras mediações das linguagens computacionais, das interações contínuas entre produção e consumo (marketing) e da gestão dos gostos e estilos sociais (branding). Tudo isso gerido em tempo real nas redes virtuais interativas e informatizadas. É então nesse contexto que as freenets se qualificam como um campo das resistências a essa “nova economia”, pois que visa tornar e manter comum a linguagem, a comunicação e a informação que circulam, de forma massificada, pelos grupos sociais globais. Na tese, o leitor encontrará, principalmente, uma cartografia da crise da cultura de massa desencadeada pela liberação social do esquema emissorreceptor que constrangia os sujeitos sociais a uma relação extremamente desigual na produção de linguagens e veículos de comunicação próprios. As freenets são então estudadas como uma nova ecologia da comunicação contemporânea, pois que possibiita a interconexão generalizada desses sujeitos que, sempre criativos, não conseguiam distribuir uma riqueza própria de linguagens, estilos, conhecimentos e culturas, senão através da mediação política e discursiva dos mass media.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
JUREMA PINTO WERNECK
O Samba Segundo as Ialodês: mulheres negras e cultura midiática
Orientadora: Liv Rebecca Sovik
Resumo: As mulheres negras são estereotipadas e sub-valorizadas na historiografia do samba. Para fazer uma releitura da história que corrija esse viés, propõe-se a figura da ialodê, extraída da tradição afro-brasileira, como chave de leitura para deslocar os estereótipos das mulheres negras na historiografia e destacar sua ação protagônica no samba. O objetivo é compreender diferentes aspectos da participação das mulheres negras nesse campo da cultura midiática que é a música popular e o samba. Para tanto se analisam as disputas por hegemonia implícitas na historiografia da música popular e do samba; se apresenta uma biografia analítica de três sambistas negras (Leci Bandão, Alcione e Jovelina Pérola Negra); e se analisa a obra destas mulheres, a partir de aspectos de gênero e raça. Em conclusão, ao comparar o senso comum sobre o samba com uma leitura centrada na ialodê, desnaturalizam-se as versões correntes das origens do samba e de sua dinâmica na era da indústria cultural.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
MARIA PAULA SIBILIA
O Show do Eu: Subjetividade dos gêneros confessionais na Internet
Orientadora: Beatriz Jaguaribe de Mattos
Resumo: Esta tese procura compreender os sentidos de um fenômeno que eclodiu em anos recentes: a exposição pública da “vida privada” e da “intimidade” dos usuários da Internet através de dispositivos como webcams, blogs, fotologs, videologs, Orkut, Myspace e YouTube. Com seu estatuto ambíguo entre o público e o privado, a ficção e a realidade, a vida e a obra, estes “espetáculos do eu” exibidos na Web abalam as fronteiras que costumavam separar ambos os pólos de todas essas oposições dicotômicas. Por isso, estas novas modalidades de expressão e comunicação permitem sondar algumas mutações na produção de subjetividade contemporânea, pois nestes novos gêneros autobiográficos se pratica uma “escrita de si” hipermídia e uma construção do eu na tela. Em primeiro lugar, detecta-se um deslocamento do eixo em torno do qual as subjetividades modernas se edificavam, com uma crise da interioridade psicológica e uma tendência à construção de si sob a lógica da visibilidade. Por outro lado, prolifera uma auto-estilização dos sujeitos como personagens inspirados na estética e nas narrativas audiovisuais — cinematográficas, televisivas e publicitárias — cada vez mais onipresentes; outro fator que contribui para a espetacularização do eu e da própria vida com recursos performáticos. Além disso, percebese uma crescente ficcionalização do real, como um componente da atual voracidade por consumir “vidas reais” e da incitação a exibir a própria intimidade recorrendo a esses mesmos códigos. Outro aspecto analisado nesta tese é o império das celebridades, como versões renovadas da categoria de artista, embora estas novas configurações desdenhem um fator antes considerado fundamental: a elaboração de uma obra. Todos estes elementos assinalam importantes transformações nos modos de produção e consumo identitário nas sociedades ocidentais contemporâneas, um processo intenso e complexo que ainda está se delineando, embora já tenha dado a luz a formas subjetivas que se distanciam dos modos tipicamente modernos de ser e estar no mundo. Estas mutações são especialmente palpáveis nos fenômenos de exposição de si que proliferam na Internet, e que fazem da rede mundial de computadores um instigante laboratório de novas subjetividades.
MÔNICA MARINO DA CARVALHO
Obesidade e Pobreza na Imprensa: epidemiologia de uma questão social
Orientador: Paulo Roberto Gibaldi Vaz
Resumo: Como se dá o nexo entre obesidade e pobreza no jornalismo brasileiro? Esta questão se produz em um contexto onde cada vez mais as mídias dão visibilidade a estudos epidemiológicos que alertam sobre o aumento da obesidade entre os brasileiros, em especial entre os mais pobres. A pergunta é menos restritiva do que possa parecer, na medida em que o “como” tem valor circunstancial delimitado por um universo de produção de sentidos relacionado aos campos jornalístico, político e da saúde no Brasil. Além disso, esta questão provoca uma dinâmica social de controle dos riscos. Tal dinâmica se revela através de práticas individuais de controle sobre si mesmo, no sentido de uma tendência governamental em defesa de um Estado mínimo. O sentido de risco que aqui se destaca é o de uma imposição internalizada, a partir da qual as autoridades estabelecem discursos, políticas e ações em saúde – sobretudo informativas –, que exortam as pessoas a avaliarem seu risco individual de adoecerem e, portanto, a mudarem seus comportamentos de acordo com este mesmo risco. Os meios de comunicação se colocam na interface do indivíduo consigo mesmo para o auto-entendimento e o cuidado de si, entra em cena a pobreza: um problema social que atravessa a dinâmica do controle dos riscos, baseada na responsabilização, na culpabilização e na capacidade individual de gerência sobre si. O nexo entre obesidade e pobreza constituiu o corpus deste trabalho. Foi critério para a escolha das 65 peças jornalísticas publicadas no jornal brasileiro “Folha de São Paulo”, de 1996 à 2005. A partir da análise do material escolhido viu-se que o tema obesidade/pobreza, mais que um tema de saúde pública, se mostrou ser essencialmente político. Neste cenário, observam-se disputas discursivas políticas acerca do papel do Estado, no momento em que pretende consolidar um Estado neoliberal brasileiro.
ARQUIVO PARA DOWNLOAD
Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso - Histórico
REVISTA ECO-PÓS
v.19, n.3 (2016)
Cultura Pop
HORÁRIO DE ATENDIMENTO
De segunda a sexta-feira, das 11h às 15h.
Para maior agilidade de nossas respostas e processos, favor consultar este portal antes de fazer solicitações.
ENDEREÇO
Secretaria de Ensino de Pós-Graduação da Escola de
Comunicação da UFRJ.
Av. Pasteur nº 250 - fds, Urca, Rio de Janeiro.
CEP: 22290-240
TEL.: +55 (21) 3938-5075
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro © 2014. Todos os direitos reservados