Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso
 
 
 
// CORPO DOCENTE
MÍDIA E MEDIAÇÕES SOCIOCULTURAIS
Isabel Travancas
Formada em Jornalismo pela PUC-Rio(1985) é Mestre em Antropologia Social pelo PPGAS do Museu Nacional-UFRJ(1991) e Doutora em Literatura Comparada pela UERJ. Fez Pós-Doutorado no Programa de Pós Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional-UFRJ (2004), no Departamento de Antropologia da Universidade Autónoma de Barcelona (2013) e na Universitat Oberta de Catalunya (2017-2018). É professora da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro desde 2008, onde tem atuado como docente e pesquisadora na área de Produção Editorial. É autora dos livros: O mundo dos jornalistas(1993), O livro no jornal(2001) e Juventude e televisão(2007). Organizou várias coletâneas como: Antropologia e comunicação, com Patrícia Farias(2001), Arquivos pessoais: reflexões multidisciplinares e experiências de pesquisa (2013) com Joëlle Rouchou e Luciana Heymann e Antropologia da comunicação de massa(2016) com Sílvia Nogueira. É coordenadora do grupo de pesquisa CIEC - Coordenação Interdisciplinar de Estudos Contemporâneos - desde 2019. Suas áreas de interesse e pesquisa são: livro, leitura, correspondência, literatura, jornalismo e etnografia da comunicação e do digital. 
PUBLICAÇÕES DISPONÍVEIS:

TRAVANCAS, Isabel; DA SILVA, Leonardo. Rio Anime Clube: a festa dos fãs. Diálogo com a economia criativa. Rio de Janeiro, v.5, nº 14(2020). 

TRAVANCAS, Isabel; ARDÉVOL, Elisenda. Materialidad digital y acción política: las cartas a los presos políticos y su circulación en las redes sociales en Brasil y Catalunya. Etnografías Contemporáneas, nº5(9), p.159-181. 2019.

TRAVANCAS, Isabel; SCHERER, Marta. A Festa de Sant Jordi no jornal La Vanguardia. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação-RBCC, nº3, p.121-135, set-dez, 2018.

TRAVANCAS, Isabel; SANTOS, Bruno Soares dos. A autoficção na literatura brasileira contemporânea: o caso de Divórcio, de Ricardo Lísias. Alceu, v.19, nº37, p.36-51, jul-dez 2018. 

TRAVANCAS, Isabel. Portugal Democrático: o jornal dos exilados. Brazilian Journalism Research, v.3, nº13, p.137-155, 2017.

TRAVANCAS, Isabel; NOGUEIRA, Sílvia. (orgs.) Antropologia da comunicação de massa. João Pessoa: Ed.UEPB, 2016.

TRAVANCAS, Isabel. Juventud y lectura: una investigación sobre adolescentes em Barcelona. GRAFO Working Papers, Barcelona, v. 3, p. 47-73, 2014.

TRAVANCAS, Isabel; FERREIRA, Sónia. Antropologia da mídia: um campo em construção no Brasil e em Portugal. Famecos, v.21, p. 622-646, nº 2, 2014.

TRAVANCAS, Isabel. O livro como produto midiático e os estudos de recepçãoContracampo. Niterói: v. 26, p. 87-105, nº 1. 2013.

TRAVANCAS, Isabel. An ethnography of journalist production – case studies of the Brazilian pressBrazilian Journalism Research, v. 6, p. 82-102, nº 2, 2010.

PROJETO DE PESQUISA:

Projeto de pesquisa: Correspondência amorosa, política e digital

Este projeto tem como objetivo pensar o lugar, o papel e a importância da carta em diferentes épocas e contextos e se subdivide em três subprojetos.

1- Correspondência amorosa em tempos digitais
A proposta é analisar e problematizar o papel das cartas e da correspondência digital nas relações amorosas no século XXI; discutir o amor na contemporaneidade através de um grupo de pessoas na faixa de 40 anos e, por fim, mergulhar no universo das mídias sociais como lugar de interação e foco desse estudo.
Pretendo, a partir do acesso à correspondência de parceiros amorosos que vivem distantes um do outro, seja em cidades, países ou continentes diferentes, expressa nas redes sociais como Facebook, nos correios digitais como e-mail e em aplicativos de comunicação como WhatsApp, entender a construção dessas relações e seus processos. Para isso realizarei uma etnografia on line e off line em um universo de homens e mulheres adultos com mais de 40 anos, residentes no Rio de Janeiro e em Barcelona. A ideia é formar um grupo variado de casais hererossexuais e homossexuais. Será importante investigar também com incidem sobre essas práticas amorosas no digital as noções de fidelidade, ciúme, paixão e comprometimento, fundamentais para entender o que muda e o que permanece nas relações virtuais.
Minha hipótese é que esses adultos tem uma relação diferente dos jovens com as mídias sociais e a comunicação virtual. Talvez não estejam tão intensamente conectados, talvez façam usos diversos das novas tecnologias, o que não quer dizer que não se comuniquem e não se relacionem amorosamente através dela.
Esta pesquisa estabelece um contraponto com projetos mais amplos de investigação sobre redes socais desenvolvidos no Brasil (Rifiotis, 2010, 2016; Amaral, 2007, 2008; Campanella, 2008, 2012, Barros, 2016; Segata 2008, 2015, Lemos 2007, 2013). E se insere em um conjunto maior de estudos produzidos por pesquisadores do campo da comunicação focando as interpretações e ressignificações das relações amorosas expressas por grupos distintos dentro do universo digital. Além dos estudos do campo da comunicação são importantes as contribuições de antropólogos estrangeiros como Ardévol (2003, 2005) Hine (2003, 2005) e a obra de Daniel Miller (2001, 20014, 2011, 2012) fundamental para essa investigação.

2- Epístolas políticas
Este segundo projeto tem como objeto as cartas enviadas para três políticos presos na Espanha e no Brasil: Jordi Cuixart e Jordi Sánchez, na Catalunha e Luís Inácio Lula da Silva, em São Paulo. As prisões em 2017 e 2018 destes três políticos com perfis, trajetórias e filiação política distintos gerou uma campanha de escrita de cartas de grandes dimensões. Elas se disseminaram pelas redes sociais dos dois países e se tornaram um elemento de luta e expressão de um ativismo político e também digital, uma vez que as cartas ganharam mundo através da internet. O objetivo foi analisar as campanhas para escritura de cartas para os três líderes políticos e sua divulgação através dos meios digitais. Foram realizadas entrevistas com os organizadores das campanhas, com membros do Instituto Lula que guarda o acervo de cartas do ex-presidente e com pessoas que escreveram para os políticos nos dois países em atividades coletivas ou individuais.

3- Cartas editoriais
A troca de cartas entre editores e autores é o foco do terceiro projeto. A proposta é analisar a relação de editores e escritores a partir da correspondência entre eles. Qual a importância dos editores na seleção e edição das obras? Como eles dialogam com os escritores sobre seus textos e como expressam sua recusa através das cartas? O primeiro conjunto de cartas estudado é formado pelas missivas do escritor Ítalo Calvino que atuou como editor durante mais de 30 anos na editora italiana Einaudi. Ele dá conselhos, crítica textos e autores, se expõe como escritor sempre procurando se colocar no lugar do outro. O conceito que guiou este trabalho para compreender o processo de escolha e recusa de originais por Calvino foi a exatidão. Uma de suas propostas para o próximo milênio publicada em “Seis propostas para o próximo milênio” (1990).

 

CURRÍCULO LATTES
EMAIL:
isabeltravancas@gmail.com
Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso - Histórico
REVISTA ECO-PÓS
v.24, n.03 (2021)
Apropriações e ressignificações na arte e no pensamento
HORÁRIO DE ATENDIMENTO
De segunda a sexta-feira, das 11h às 15h.
Para maior agilidade de nossas respostas e processos, favor consultar este portal antes de fazer solicitações.
ENDEREÇO
Secretaria de Ensino de Pós-Graduação da Escola de
Comunicação da UFRJ.
Av. Pasteur nº 250 - fds, Urca, Rio de Janeiro.
CEP: 22290-240
TEL.: +55 (21) 3938-5075
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro © 2014. Todos os direitos reservados