Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso
 
 
 
// CORPO DOCENTE
TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E ESTÉTICAS
Maria Cristina Franco Ferraz
MARIA CRISTINA FRANCO FERRAZ, mestre em Letras pela PUC-RJ e doutora em Filosofia pela Universidade de Paris I-Sorbonne com três estágios pós-doutorais em Berlim, é Professora Titular de Teoria da Comunicação da UFRJ, onde atualmente coordena o mestrado Erasmus + Crossways in Cultural Narratives. Pesquisadora do CNPq, foi professora visitante nas universidades de Paris 8 e Perpignan (França), Richmond (EUA), Nova de Lisboa (Portugal) e Saint Andrews (Escócia). É autora dos livros: Nietzsche, o bufão dos deuses (Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994/São Paulo: n-1, 2017 e Paris: Harmattan, 1998), Platão: as artimanhas do fingimento (Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999 e Lisboa: Nova Vega, 2010), Nove variações sobre temas nietzschianos (Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002), Homo deletabilis - corpo, percepção, esquecimento: do século XIX ao XXI (Rio de Janeiro: Garamond, 2010 e Paris: Hermann, 2015) e Ruminações: cultura letrada e dispersão hiperconectada (Rio de Janeiro: Garamond, 2015). Em colaboração com Ericson Saint Clair, escreveu o livro Para além de Black Mirror: estilhaços distópicos do presente, no prelo pela editora paulista n-1.
PUBLICAÇÕES DISPONÍVEIS:
Livros:

Em colaboração com Ericson Saint Clair: Para além de Black Mirror: estilhaços distópicos do presente. No prelo. São Paulo: Editora n-1.

Ruminações: cultura letrada e dispersão hiperconectada. Rio de Janeiro: Garamond/FAPERJ, 2015.

L’homme effaçable: mémoire et oubli du XIXe siècle à nos jours. Paris : Hermann, 2015.

Homo deletabilis - corpo, percepção, esquecimento: do século XIX ao XXI Rio de Janeiro: Garamond/FAPERJ, 2010.

Nove variações sobre temas nietzschianos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

Platão: as artimanhas do fingimento. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999 e Lisboa: Nova Vega, 2010.

Nietzsche, le bouffon des dieux. Paris : Harmattan, 1998.

Nietzsche, o bufão dos deuses. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994; segunda edição revista: São Paulo: Editora n-1, 2017.

Artigos:

“Do imperativo da avaliação: espelhos negros da contemporaneidade”. Brasília: Revista E-Compós, número 22, 2018. Disponível em: https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/1551/1930

“Volto já (Be right back), de Black Mirror: tecnologias, finitude e a arte de saber terminar”. São Paulo: Revista Galáxia, 1/41, 2019. Disponível em: http://https://revistas.pucsp.br/galaxia/article/view/41169/28672 
PROJETO DE PESQUISA:
Modulações da Atenção e dos Afetos na Cultura Digital

Descrição
Acionando o método genealógico, a pesquisa visa a tematizar regimes de atenção dispersa e fragmentada demandados e produzidos por dispositivos de informação e comunicação em rede, em um contexto de declínio da cultura letrada em favor de modos de vida crescentemente on-line, non-stop, hiperconectados. O exame do esgarçamento tendencial da capacidade de concentração, da compactação da experiência do tempo e da expansão de regimes de dispersão hiperconectada é favorecido por contrapontos com produtos culturais produzidos na modernidade. A dispersão em temporalidades aceleradas articula-se à corrosão da experiência e à dificuldade crescente de sustentar o desejo no tempo. Imediatez e esquecimento subjazem ao enfraquecimento da inscrição de experiências no corpo, em tempos de obsolescência programada de produtos, relações, afetos. A constante captura da atenção e o regime de hiperconectividade em tempo integral tendem a afetar e empobrecer as modulações afetivas do corpo. Tais fenômenos articulam-se à disseminação de afetos como ódio e ressentimento em redes sociais. A pesquisa se vale de recuos à cultura letrada (literatura e filosofia), ligada a temporalidades mais dilatadas, para tornar mais perceptíveis as variações contemporâneas dos regimes de atenção e afeto. O conceito deleuzeano de afeto, como “blocos de sensações”, e a filosofia nietzschiana são acionados para pensar afetos como inveja, medo, ódio e ressentimento. Para avançar nessa análise, investigam-se episódios da série distópica Black Mirror, com vistas ao aprofundamento de fenômenos ligados à cultura digital, tais como relações problemáticas com afetos e com a finitude. Identificando e analisando alterações nos campos da atenção e do afeto em novos horizontes culturais, a pesquisa visa a contribuir para o desenvolvimento temático e metodológico do campo da Teoria da Comunicação, bem como para a compreensão de mudanças em curso no século XXI. 

 

CURRÍCULO LATTES
EMAIL:
mcfrancoferraz@gmail.com
Eco.Pós - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ - O Curso - Histórico
REVISTA ECO-PÓS
v.23, n.01 (2020)
A Música e suas Determinações Materiais
HORÁRIO DE ATENDIMENTO
De segunda a sexta-feira, das 11h às 15h.
Para maior agilidade de nossas respostas e processos, favor consultar este portal antes de fazer solicitações.
ENDEREÇO
Secretaria de Ensino de Pós-Graduação da Escola de
Comunicação da UFRJ.
Av. Pasteur nº 250 - fds, Urca, Rio de Janeiro.
CEP: 22290-240
TEL.: +55 (21) 3938-5075
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro © 2014. Todos os direitos reservados